Em atendimento à legislação eleitoral, os demais conteúdos deste site ficarão
indisponíveis de 2 de julho de 2022 até o final da eleição estadual em São Paulo.

Startup Carenet realiza projeto para conectar equipamentos de UTIs de Covid-19 no Hospital das Clínicas da USP

Startup Carenet realiza projeto para conectar equipamentos de UTIs de Covid-19 no Hospital das Clínicas da USP

A pandemia de Covid-19 exigiu cuidado especial dos hospitais e profissionais da saúde no tratamento e acompanhamento de pacientes, bem como exigiu o reforço de medidas de proteção das equipes que atendem os pacientes, especialmente em leitos de UTI.

Nesse contexto, o Programa IdeiaGov lançou edital de chamada pública para seleção de empresas que pudessem atender ao seguinte desafio: “Como monitorar sinais vitais e operar aparelhos eletromédicos usados em leitos hospitalares (UTI e Enfermaria) em um modelo remoto, inteligente e integrado?”

Via de regra, o monitoramento de pacientes internados em hospitais é feito de forma presencial pelos profissionais da saúde, que seguem um protocolo com horários programados de visitas para cada paciente. Nessa visita, em geral, são aferidos sinais vitais a partir de monitores multiparamétricos, checagem de fluxo nas bombas de infusão e monitoramento de ventiladores pulmonares, entre outros equipamentos que possam auxiliar na recuperação do paciente.

Cada vez que um profissional acessa um leito, é necessária a paramentação e desparamentação completa. A execução desta rotina aumenta o risco de infecção e aumenta os gastos com Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) dos hospitais. Esse é um dos problemas que a tecnologia pode ajudar a resolver.

Além disso, o contexto da pandemia de Covid-19 trouxe à tona a questão da segurança dos profissionais da saúde que trabalham na linha de frente com esses pacientes. A exposição dos profissionais a pacientes internados por Covid-19 traz um alto risco de contaminação, e o afastamento dos profissionais da saúde também reflete na redução do quadro de funcionários no atendimento.

O objetivo da chamada foi validar um modelo de processo que possa ser replicável para o restante do Hospital das Clínicas de São Paulo (HCFMUSP), bem como para as demais unidades de saúde do Estado de São Paulo, e que trouxesse maior eficiência e segurança (redução de contaminação cruzada) para os profissionais de saúde no combate a Covid-19 e outras doenças infecciosas.

Nesse sentido, a empresa Carenet apresentou uma solução tecnológica que permite o monitoramento remoto de sinais vitais emitidos por equipamentos à beira leito em unidades intensivas de tratamento (UTIs) e enfermarias, a plataforma Orchestra.

O Orchestra funciona como sistema de integração, conectando os equipamentos do hospital a um software em áreas críticas, como a unidade de terapia intensiva, o centro cirúrgico e pronto-socorro. 

A proposta da empresa Carenet foi desenvolver as ferramentas que primeiro resolvem os problemas críticos de interoperabilidade em UTIs de hospitais e, em seguida, criam inteligência em tempo real, insights, análises preditivas e cuidados de saúde para um novo mercado crescente de suporte a decisões clínicas e vigilância clínica.

Uma solução de acompanhamento remoto, integrado e inteligente de sinais vitais de pacientes pode oferecer uma série de benefícios para pacientes, profissionais da saúde e hospitais, tais como:

  • Potencial de supervisão e orientação de tratamento de forma remota, permitindo maior escalabilidade. Quando um profissional intensivista visualiza todos os parâmetros vitais ao mesmo tempo, há um potencial de melhor compreensão da doença e do caso;
  • O monitoramento remoto ainda pode melhorar a qualidade assistencial, reduzir o tempo despendido com cada paciente e contribuir para uma melhor conduta para cada paciente. 
  • Quanto antes os parâmetros de risco são detectados, maiores são as chances de melhora do paciente e menor o tempo de internação, o que reflete diretamente na redução de gastos com pacientes internados.  
  • Maior segurança para equipes médicas e de enfermagem, possibilitando a redução de contaminação dos mesmos por doenças infecciosas e diminuindo inclusive a contaminação cruzada entre pacientes.

“A empresa já tinha passado por um projeto anterior com o HCFMUSP, via InCor. Nós tivemos que nos adequar a um novo fluxo e relacionamento com o hospital. Eram muitas pessoas envolvidas, especialmente tomadores de decisão. Ganhamos muita experiência com projeto com um grande hospital. Diferentemente de um contrato de prestação de serviços, havia outro nível de interação. Em um projeto de inovação aberta a maior preocupação é o ganho do conhecimento e o registro para que a inovação se torne algo comum. O aprendizado foi incrível para a empresa, para a gestão, para a diretoria, para o time comercial.”

Daniela Freitas, da Carenet

Para Ivisen Lourenço, Head de Inovação Aberta no InovaHC: O Hospital das Clínicas da FM-USP é um polo tecnológico importante na saúde no Estado de SP. É um ambiente de alta complexidade. Dentro da estrutura do SUS, atuam no mais alto e complexo nível do sistema. A proximidade com a FM-USP, que é a principal desenvolvedora de projetos de ciência e pesquisa no estado e na América Latina permite uma atuação muito próxima. É natural a inovação florescer em um ambiente como o HCFMUSP. Tivemos uma interação muito interessante com as empresas, em vários aspectos, desde o entendimento da solução e necessidades. O produto final que se propôs a construir (um modelo de implementação no Estado) é bem sucedido, é um modelo interessante para escalar para outros hospitais. Já o HCFMUSP teve benefícios no processo de prova de conceito de UTI Conectada. Ver os dados dos pacientes sendo acompanhados em tempo real trouxe a oportunidade de revisitar o modelo de apoio assistencial dos pacientes do hospital. Validou um conceito e abriu caminho para usar tais ferramentas. 

Segundo Cleidson Cavalcante, pesquisador colaborador do LIM-09 da Faculdade de Medicina da USP, “A ideia de agregar atores externos é valiosa. Eles têm papel operacional, mas também estratégico e de influência, para despertar interesse de outras empresas e atores. Criar um cenário em que haja um acompanhamento com outros atores externos de forte influência pode ajudar a manter e segurar o processo (p.ex. SES, mas também FIESP, ABDI, atores da indústria). Às vezes é necessário trazer alguém do dia-a-dia do funcionalismo público (p.ex. equipe de suprimentos hospitalares). Pudemos observar um grande movimento da indústria em direção ao HC buscando um norte de requisitos, para que os produtos fossem integrados e competitivos. Muitas empresas vieram com expectativa de contar com apoio do HC para desenvolver e aprimorar as tecnologias delas. Surgiram novos projetos e propostas a partir da execução do projeto. O IdeiaGov foi um grande aglutinador, e fez com que as empresas os procurassem para desenvolver essas soluções.”.

A prova de conceito da empresa Carenet, referente à chamada pública CCT/SDE nº 04/2020, ocorreu do mês de outubro/2020 a novembro/2021. O resultado da prova de conceito referente a esta chamada pública foi publicado no Diário Oficial do Estado do dia 27/10/2020 e a prova de conceito foi finalizada no dia 05/11/2021. 

A solução da empresa Carenet teve resultado de avaliação satisfatório durante a etapa de prova de conceito no âmbito do Programa de Inovação em Governo do IdeiaGov, de acordo com os critérios de avaliação definidos no relatório final de atividades. Portanto, o órgão demandante (HCFMUSP) prosseguirá com a análise e decisão para eventuais encaminhamentos e próximos passos, que pode envolver a assinatura de acordo de pesquisa, desenvolvimento e inovação (PD&I) com a empresa.

Compartilhe:

Outros posts:

guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Governo do Estado de SP