Em atendimento à legislação eleitoral, os demais conteúdos deste site ficarão
indisponíveis de 2 de julho de 2022 até o final da eleição estadual em São Paulo.

Startup que desenvolve kits de teste de Covid-19 realiza projeto de inovação aberta com o Instituto Butantan

Startup que desenvolve kits de teste de Covid-19 realiza projeto de inovação aberta com o Instituto Butantan

No início de 2020, pouco se sabia sobre o comportamento e as características do SARS-CoV-2, o novo coronavírus causador do Covid-19. Mas uma coisa já era clara: o distanciamento social e a testagem massiva deveriam ser algumas das principais medidas para “achatar” a curva de disseminação do vírus.

Os testes de diagnóstico que podem ser adquiridos por governos e pelo setor privado se dividem em dois tipos: moleculares e sorológicos. No primeiro grupo, os exames determinam se há infecção ativa; ou seja, detectam a presença do vírus. Porém, os resultados são demorados, o que dificulta a adoção imediata do tratamento, causando impacto na saúde do indivíduo e à saúde coletiva, uma vez que a tomada de decisão sobre as medidas de combate à disseminação do vírus podem ser tomadas com atraso. Além disso, a realização de testes moleculares demanda uma infraestrutura complexa, cara e pouco disponível no país. Os testes sorológicos, por sua vez, detectam anticorpos do SARS-CoV-2 no organismo dos indivíduos — ou seja, após reação do organismo à infecção. O inconveniente desse tipo de teste é exatamente  a impossibilidade de empregá-lo para o diagnóstico da doença em seus estágios iniciais.

Mas esses não são os únicos dificultadores à testagem em massa. A maior parte dos testes disponíveis no mercado é produzida a partir de reagentes e insumos importados, o que acaba por limitar a capacidade de utilização desses testes em larga escala.

Nesse contexto, o primeiro edital do IdeiaGov buscou apoiar o desenvolvimento de soluções tecnológicas e inovadoras para a realização de testes de diagnóstico para Covid-19 que fossem confiáveis, acessíveis para programas de saúde pública e pudessem ser replicados para alcançar o maior número possível de pessoas.

Após a realização dos ciclos de avaliação, a startup Safetest foi selecionada para participar do programa de inovação em governo do IdeiaGov apresentando o Safetest Covid-19, um teste sorológico rápido para detecção dos anticorpos IgG e IgM, como uma alternativa replicável, confiável e acessível para o diagnóstico da infecção pelo SARS-CoV-2. 

A empresa foi criada em 2016 com o objetivo de comercializar soluções de testagem precisas, rápidas e de baixo custo, produzidas com tecnologia 100% nacional a partir de pesquisas desenvolvidas por laboratórios das universidades brasileiras. Diante da pandemia do Covid-19, a Safetest colocou em prática o conhecimento acumulado e adaptou sua infraestrutura em biotecnologia para o desenvolvimento de um teste sorológico por imunoensaio enzimático (chamado teste ELISA), capaz de detectar os anticorpos IgG e IgM contra o Sars-CoV-2. O exame utiliza partículas virais sintéticas de base proteica, ou seja, criadas em laboratório, o que permite detectar qualquer variação já identificada do vírus, em qualquer parte do mundo com alta acurácia — 100% de sensibilidade e 99,5% especificidade. 

Depois de ser selecionada pelo IdeiaGov, a empresa passou a trabalhar em parceria com o Instituto Butantan. O objetivo do projeto-piloto entre o instituto e a startup mineira foi analisar os testes desenvolvidos e fornecidos pela empresa Safetest, apoiando o desenvolvimento de soluções tecnológicas e inovadoras para a realização de testes de diagnóstico para Covid-19.

Para  Janayna Bhering, CEO da Safetest, a experiência provou que o investimento público na ciência brasileira só traz vantagens para o desenvolvimento do país. “O Instituto Butantan está nos dando todo o apoio na validação dos nossos kits, o que representa uma grande chancela para a utilização da solução na rede pública do estado de São Paulo. Além disso, quebramos um paradigma na ciência brasileira. 

FRASE DESTAQUE
“Tudo foi 100% desenvolvido e produzido no Brasil, enquanto a prática do mercado é a compra das partes dos testes no exterior e apenas montagem no Brasil. Com isso, ao colocar essa solução em prol do combate à pandemia, o estado de São Paulo gera empregos e valoriza a produção nacional, aumentando o impacto social do nosso trabalho”   Janayna Bhering, CEO da Safetest

 A Diretora do Centro de Desenvolvimento Científico do Instituto Butantan, Sandra Coccuzzo Vessoni, comenta: “Antes do Covid-19, éramos um instituto de pesquisa. Foi preciso aprender a construir rede, utilizar inovação aberta e construir áreas novas para nos dedicarmos ao combate à pandemia. Por meio da parceria com a Safetest, estamos construindo o conhecimento e uma área e mantendo a capacidade de entregar qualidade atendendo ao quantitativo necessário para todo o estado de São Paulo”. Impulsionada pela inovação proporcionada pela tecnologia, a experiência culminou em inovação organizacional e em aprendizado compartilhado. 

Após fase de testes, a equipe do Butantan recomendou o seguimento da startup Safetest para prosseguimento da próxima fase do projeto via IdeiaGov, a celebração de acordo de PD&I junto ao Instituto Butantan, para o qual irão estabelecer novo plano de trabalho em conjunto.

Leia sobre outras soluções que estão em fase de implementação junto aos órgãos públicos.

Compartilhe:

Outros posts:

guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Governo do Estado de SP